08 de fevereiro de 2018

Celulares não fazem mal à sua saúde

A ciência comprova, mais uma vez, que não há motivos para acreditar que seu dispositivo móvel é responsável por causar câncer

 

Redação Fatos & Notícias

Não há evidências científicas que comprovem riscos à saúde humana por conta do uso de dispositivos móveis (Foto: Pixels)

Para que o assunto seja esclarecido de vez por todas, a Food and Drug Administration (FDA), órgão de vigilância sanitária dos Estados Unidos, encomendou uma série de estudos sobre os efeitos das ondas de rádio emitidas por smartphones nas células humanas. E aí vai um spoiler: sim, os celulares legalmente comercializados são dispositivos seguros para a nossa saúde.
Para realizar as pesquisas, o órgão regulador norte-americano não se ateve a modelos ou marcas de celulares, mas a dispostivos que tivessem um padrão de emissão elevado de radiação. 
Ratos e camundongos serviram de cobaias do estudo e foram divididos em três grupos: aqueles que foram expostos às ondas de rádio durante nove horas diárias ao longo de dois anos; outro que foi colocado em contato com as ondas eletromagnéticas por 18,5 horas diárias durante dois anos; e um último, isento de qualquer exposição.
Quando analisados, nenhum dos grupos apresentou traços de tumor cerebral. Porém, algo curioso apareceu. Os cientistas avistaram nos ratos machos expostos à radiação um pequeno crescimento de tumores no coração, ao contrário das fêmeas, que permaneceram saudáveis. Esse tumor afetava diretamente o tecido nervoso próximo ao coração desses animais. Contudo, essa condição, classificada como rara, não acomente seres humanos.
Outro fato estranho é que os ratos que foram expostos às ondas de rádio viviam, em média, mais tempo do que os ratos protegidos da radiação. Segundo cientistas, isso pode ser apenas uma coincidência ou, talvez, um indício de que as ondas eletromagnéticas ajudam a reduzir inflamações em ratos – e somente em ratos, pois esse é outro caso que só foi identificado em roedores.
Algumas cobaias, inclusive, apresentaram danos em suas células de DNA. Contudo, os pesquisadores não sabem dizer se foram as ondas de rádio que causaram a irregularidade.

Tomados em conjunto, esses resultados nos indicam um panorama mais completo sobre a exposição às ondas de radiofrequência, conforme informado pela FDA, e essas descobertas nos dão a confiança de dizer que os níveis de radiação emitidos pelos celulares continuam seguros e aceitáveis para a saúde pública”, afirmou Jeffrey Shuren, diretor do Centro de Dispostivos e Saúde Radiológica, do FDA.

Em síntese, fique tranquilo. Não há evidências científicas que comprovem riscos à saúde humana por conta do uso de dispositivos móveis. Além de que, nunca houve, na história da medicina, um aumento de incidência de tumores cerebrais em nossa sociedade desde o surgimento dos celulares. Se ainda assim a dúvida persistir, você ainda pode fazer ligações pelos fones de ouvido ou mandar mensagens de texto.
 
Fonte: Galileu.com



COLUNISTAS



Fernanda Prates
Advogada redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Gislene Ataíde
Coach de Carreira, Palestrante e Consultora de Gestão Organizacional redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Jorge Pacheco
Advogado, Radialista e Jornalista redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Karin Alessandra
Psicóloga redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Felipe Moro Loureiro
Professor Doutor em Ciência, na UCL redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Walmir da Hora
Economista Empresarial, especialista em Gestão Estratégica redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Luzimara Fernandes
Jornalista redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Vanderlei Santos Rodrigues
Professor e Especialista em Educação Física redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Vinicius Nery
Estudante de Jornalismo na Ufes redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Edmilson Alves
Corretor de Imóveis redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Dr. Arnaldo Marques Junior
-

Prof.Raphael Balsa
-

ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES