04 de dezembro de 2017

Cientistas brasileiros revelam descoberta de ovos de pterossauros com embriões

Redação Fatos & Notícias

Pesquisadores brasileiros, em parceria com chineses, apresentam réplicas de descobertas de ovos e restos fossilizados de pterossauros (Fotos: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O Museu Nacional, no Rio de Janeiro, apresentou na última quinta-feira (30) os detalhes de uma descoberta na China de centenas de restos de ossos de pterossauros e mais de 300 ovos, alguns deles com embriões preservados. O achado envolveu cientistas brasileiros e chineses. Um estudo sobre o assunto foi publicado na edição que começou a circular na última sexta (1º) da revista Science, uma das mais conceituadas publicações de divulgação científica do mundo.
De acordo com o paleontólogo brasileiro Alexander Kellner, a descoberta ocorreu em expedições realizadas em 2015 e 2016 na região de Hami, no noroeste da China. Encontrou-se no local a maior concentração de ovos de vertebrados extintos conhecida até então. Eles estavam em um bloco de pouco mais de 3 metros quadrados. "É uma das mais importantes descobertas sobre vertebrados extintos nos últimos 10 anos", avaliou Kellner.
Os pterossauros são répteis voadores. Foram os primeiros animais vertebrados a desenvolverem a capacidade de voo ativo, antes mesmo das aves. Parentes próximos dos dinossauros, eles desapareceram sem deixar descendentes há cerca de 66 milhões de anos, no período geológico conhecido como Cretáceo.
Já foram descobertas no mundo cerca de 300 espécies de pterossauros, distribuídas em todos os continentes. A espécie encontrada na China recebeu o nome de Hamipterus tianshanensis. Na posição quadrúpede, ela teria uma altura média de 1,2 metro e seu tamanho máximo seria alcançado após dois anos de nascimento. A envergadura da asa variava entre 1,5 e 3,5 metros. Pelo formato dos dentes, os pesquisadores acreditam que eles eram carnívoros e se alimentavam de peixes.
Concentrações expressivas de ossos de pterossauros já haviam sido encontradas na Argentina e no Brasil, mas sem grande volume de ovos. Juliana Sayão, professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e também integrante da equipe da pesquisa, destaca achados na bacia do Araripe, que alcança três estados do Nordeste: Ceará, Pernambuco e Piauí. "Lá já foram feitas descobertas de mais de duas dezenas de espécies de pterossauros. A última delas foi pelo nosso grupo de pesquisa há três anos".

Cuidado parental

Os ovos são de casca mole, diferente da maioria das aves e mais semelhantes aos de cobras e lagartos

A ciência ainda reúne um conhecimento limitado sobre os pterossauros, sobretudo pela dificuldade em encontrar fósseis preservados. Seus ossos, muito finos e delicados, são extremamente frágeis. Os ovos são de casca mole, diferente da maioria das aves e mais semelhantes aos de cobras e lagartos. "Eles não quebram, eles deformam", afirma Kellner.
Até então, só haviam sido encontrados nove ovos em todo o mundo, na China e na Argentina, sendo três deles com embriões, mas todos amassados e compactados. Neste novo achado, além da surpreendente descoberta de mais de 200 ovos, foram encontrados, de forma inédita, 16 embriões com ossos preservados em três dimensões.
Análises de tomografia computadorizada nos fósseis mostraram que, nestes pterossauros recém-nascidos, os membros vinculados ao voo ainda não estavam bem ossificados.

Isso demonstra que, quando esses animais nasciam, eles poderiam andar, mas, possivelmente, não poderiam voar. Essa é uma informação inédita. E isso implica no cuidado parental. Ou seja, os pterossauros recém-nascidos, pelo menos nessa espécie, precisavam de algum acompanhamento dos pais para sobreviverem", explica Kellner.

O pesquisador também destaca que os fósseis foram encontrados dispostos em oito camadas, numa altura de 2,2 metros. Cada camada representa um tempo diferente na escala de anos. "O que estamos observando é que eles faziam colônias de nidificação, ou seja, várias fêmeas iam para o mesmo lugar colocar seus ovos. Os achados também indicam que eles retornavam sazonalmente a essas mesmas áreas. Eram locais propícios para a procriação".
Desde a última sexta-feira (1º), interessados na descoberta podem ver réplicas dos ovos e fragmentos dos ossos no Museu Nacional. O horário de visitação do público é das 10h às 17h e o ingresso custa R$ 6. A partir de 16h, a entrada é franca. Fundado em 1818 e atualmente vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Museu Nacional localiza-se na Quinta da Boa Vista e é a mais antiga instituição científica do Brasil.

Fonte: Agência Brasil



COLUNISTAS



Fernanda Prates
Advogada redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Gislene Ataíde
Coach de Carreira, Palestrante e Consultora de Gestão Organizacional redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Jorge Pacheco
Advogado, Radialista e Jornalista redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Karin Alessandra
Psicóloga redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Felipe Moro Loureiro
Professor Doutor em Ciência, na UCL redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Walmir da Hora
Economista Empresarial, especialista em Gestão Estratégica redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Luzimara Fernandes
Jornalista redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Vanderlei Santos Rodrigues
Professor e Especialista em Educação Física redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Vinicius Nery
Estudante de Jornalismo na Ufes redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Edmilson Alves
Corretor de Imóveis redacaojornalfatosenoticias.es@gmail.com

Dr. Arnaldo Marques Junior
-

Prof.Raphael Balsa
-

ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES