Esportes

Bodyboarding, alongamento e hidroginástica “movimentam” alunos e moradores em Vila Velha

Ronaldo Nascimento leciona e se dedica a projetos sociais em Vila Velha

Ronaldo Nascimento é um desses caras que tem o esporte correndo nas veias. Como atleta foi um dos mais importantes representantes do Estado nos campeonatos de bodyboarding pelo Brasil conseguindo ótimos resultados e ajudando a sacramentar o Espírito Santo como grande celeiro de campeões no esporte.
Formado em educação física e morador da Mata da Barra, bairro localizado próximo à paradisíaca Barra do Jucu, ele hoje leciona e se dedica a projetos sociais, inclusive premiado como professor destaque da Prefeitura Municipal de Vila Velha (PMVV) em boas práticas educacionais e esportivas.
Neste momento difícil que estamos passando aproveitamos para bater um papo com ele e saber mais da sua história e dos seus projetos.

Com foi o seu início no bodyboarding?
Em meados de 1988, fui à praia de Itaparica, em Vila Velha, e avistei algumas pessoas pegando onda de forma diferente e me interessei. Robson, meu irmão mais velho, era quem me emprestava a prancha para eu pegar as primeiras ondas e logo depois uma amiga, Shirley (in memorian), me deu uma prancha usada da Morey Boogie (Mach 7-7) muito famosa na época. No meu aniversário de 15 anos ganhei dos meus pais a primeira prancha zerada e um par de pé de patos da Redley. A partir daí o bicho pegou na água, pois eu só pensava em praia todos os dias e logo comecei a participar de eventos da modalidade. A primeira competição foi na Barra do Jucu no Circuito Capital de BodyBoard em 1989 onde fiquei em quinto lugar. Depois desse evento não parei mais. Competi todos os circuitos nos anos 90 e, em 1995, consegui entrar em uma etapa do Mundial aqui no Brasil, o “Sthill World Bodyboard Contest 95/96” no Guarujá, litoral de São Paulo, onde fui até às quartas de final, um ótimo resultado. Neste mesmo ano ganhei a minha primeira etapa aqui no Estado como profissional em Jacaraípe/Serra, local onde sempre me destacava. Em 2004/2006 e 2007 conquistei o título estadual na categoria Master. Em 2008, ainda competi uma etapa da Associação de Bodyboard de Niterói (ABBN) na praia de Itacoatiara/RJ que considerei a mais importante, onde conquistei a segunda colocação. Depois disso assumi as funções de árbitro do QT Oficial, tesoureiro e assessor das escolas de iniciação do esporte por dez anos consecutivos na Federação de Bodyboarding do Estado do Espírito Santo (FEBBEES). Hoje temos onze escolas, seis filiadas à Federação e, inclusive, duas delas são administradas por mim.

Aulas de Bodyboarding Praia de Ulé, em Guarapari (Foto: Divulgação)

Quais foram as suas referências no esporte?
No início, sem dúvida, foi o havaiano, nove vezes campeão mundial, Mike Stewart e o brasileiro Guilherme Tâmega que faturou seis vezes o título. Hoje em dia temos grandes atletas internacionais como: Pierre Louis Costes, Jeff Hubbard, Jered Houston, além dos brasileiros Uri Valadão, Isabela Souza, Ayaka Suzuki e a capixaba Neymara Carvalho que é o orgulho do nosso Estado e que já foi cinco vezes campeã do mundo.

Grupo Vida Ativa na Melhor Idade alongamentos e hidroginástica (Foto: Divulgação)

Qual é a sua formação e no que trabalha atualmente?
Estudei na Ufes de Nova Venécia e de Vitória no curso de Educação Física entre os anos de 1994 a 1998; pós-graduação em “Condicionamento Físico; cursos na área de esportes náuticos e tenho alguns trabalhos científicos publicados. Quando terminei a faculdade, resolvi fazer minha primeira escolinha de bodyboarding no Ulé, onde meus pais moram até hoje. Antes, porém, já tinha algumas experiências como instrutor em escolinhas de bodyboarding de alguns amigos: Fábio de Franco (Escolinha Mcdonalds), Osvaldo Bissoli (Escolinha Secret) e Léu Costa (Escolinha Pompeia). Atuei em academias e hoje tenho dois projetos sociais na UMEF Dr. Tuffy Nader, na Barra do Jucu. O B.U.L.A.S – “Barra Um Lugar ao Sol de BODYBOARDING”, que já existe há 17 anos e atende alunos desta e outras escolas da região 5 no contraturno em cinco turmas distintas nos dois turnos (matutino/vespertino). Neste projeto os equipamentos são fornecidos pela PMVV e as aulas são realizadas, geralmente, na praia da Concha, na Barra, e é o único no Espírito Santo que conta com o auxílio de guarda-vidas em todas as aulas.
Paralelamente a tudo isso tenho mais duas turmas com 100 alunos cada, onde ministro aulas de alongamento e hidroginástica para a terceira idade, carinhosamente chamadas de “Vida Ativa na Melhor Idade”. No Projeto da terceira idade para a comunidade local e adjacências a procura é tão grande que não temos mais vagas.
Nos fins de semana ainda coordeno e ministro aulas gratuitas de bodyboarding na praia do Recanto da Sereia. Elas acontecem aos sábados de 08h as 11h e temos, hoje, mais de 30 alunos da região. O projeto conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Guarapari, da Associação de Moradores do Recanto da Sereia (Ulé) e do projeto federal “Campeões do Futuro”, que auxilia com os equipamentos para as aulas.

Ronaldo e a criançada na praia (Foto: Divulgação)

Por que praticar esporte?
Porque o esporte é vida, é o que nos faz ser pessoas sadias e ativas. Quem pratica algum tipo de esporte e quem é ou já foi um atleta sabe que o esporte educa, disciplina e gera grandes cidadãos de bem para o mundo, tirando vários da marginalidade e do abandono social.

Laércio Fraga

Laércio Fraga

Professor de Educação Física.

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish