Esportes

Quem é rei nunca perde a majestade

Saulo Herculano, fera do futevôlei, hoje se dedica a passar o que aprendeu a outros que pretendem ter o mesmo sucesso

O futevôlei já caiu, há tempos, no gosto dos brasileiros. Criado na década de sessenta no Rio de Janeiro, surgiu como meio para que os banhistas continuassem a praticar o futebol já que a polícia proibia as famosas peladas e altinhas (controle) nas praias. Um grupo de praticantes viu na quadra de vôlei, área liberada na época, a oportunidade de continuar se divertindo com a bola. Foram mantidas algumas regras básicas do voleibol como os três toques antes de arremessar para a quadra adversária e a composição com seis jogadores para cada lado. Com o passar dos anos e o aperfeiçoamento da técnica, esse número foi reduzido para duplas, formação clássica mais utilizada nos dias atuais.
O esporte foi bem aceito aqui no Espírito Santo atraindo muitos adeptos e revelando craques que marcaram época e ajudaram a difundir o esporte. Dentre eles, podemos citar Saulo Herculano. Longe das quadras há algum tempo como jogador, ele sempre se destacou pela sua estratégia e uma habilidade diferenciada. Hoje, com a criação de vários espaços que proporcionam conhecer e iniciar a prática do esporte aqui no Estado, Saulo decidiu também repassar o seu conhecimento.
Ele falou a SerEsporte/Jornal F&N sobre a sua trajetória.

Como e quando foi o seu início no futevôlei?
Foi em janeiro de 1987. Jogávamos vôlei e, um dia, por acaso, resolvemos jogar com os pés. Na barraca 16 na Praia de Camburi/Vitória, soubemos que já tinha gente jogando e então resolvemos ir lá para desenvolver.

Quais foram os melhores parceiros com quem atuou?
Zé Luís, Barata, Sel e Dudu Caramba.

Evento mais importante que participou e o seu melhor resultado
Os eventos do Circuito Copa Skol que rodou vários estados pelo Brasil foram os mais importantes.
A minha melhor colocação foi um 5⁰ lugar em nível nacional – (1ª etapa do primeiro campeonato Brasileiro em 1987, que foi realizado em Brasília).
Além desse resultado, que considero o mais importante na minha carreira, as várias conquistas locais também fazem parte do meu currículo. Foram nada mais, nada menos do que onze títulos estaduais.

Saulo (Camiseta branca) no lugar mais alto do pódio (Foto: Divulgação)

Como você vê a organização do esporte aqui no Estado?
Vejo de forma amadora. Pecam na falta de planejamento e organização. Quando obtém lucro o bolo não é dividido de forma honesta.

Na sua opinião, quais os motivos para que o futevôlei não decole de vez no Brasil como aconteceu com o beach soccer?
Falta amor pelo esporte, seriedade, honestidade, compromisso e um grande patrocinador. Quando há verbas públicas, elas não são aproveitadas como deveriam.

Conte-nos sobre o CT FENIX na praia de Camburi
Eu criei o Centro de Treinamento porque eu amo o esporte. Hoje já não posso jogar devido à minha saúde, mas posso passar minha experiência.

Quer aprender com o mestre?
CT Fenix Futevôlei
🏐Escola de Futevôlei
📍Praia de Camburi
⏰ Segunda/Quarta/Sexta 7h as 8h30
⏰Terça e Quinta 19h as 20h30
📱Saulo (27) 99852-1447

Laércio Fraga

Laércio Fraga

Professor de Educação Física.

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish