OUÇA A RÁDIO

Montanha de lixo na Índia alcança 65 metros de altura

Pilha do aterro, localizada na cidade de Nova Déli, está prestes a ficar mais alta do que o Taj Mahal

Redação Fatos & Notícias

Montanha de lixo em Ghazipur, que fica na cidade de Nova Déli (Foto: reprodução/YouTube)

Localizado na cidade de Nova Déli, capital da Índia, o aterro de Ghazipur continua a crescer em um ritmo surpreendente: é esperado que, dentro de um ano, esteja mais alto do que o Taj Mahal, um dos monumentos mais emblemáticos do país. Com 65 metros de altura, a pilha já foi apelidada de ‘Monte Everest ‘ pelos habitantes da capital da Índia.
Aberto em 1984, o aterro atingiu a capacidade de 20 metros no ano de 2012, quando deveria ser fechado. No entanto, o local continuou funcionando e hoje os 21 milhões de pessoas que vivem na cidade dependem deste e de outros dois aterros — que também atingiram o limite de depósito de lixo há pelo menos uma década.
“Cerca de duas mil toneladas de lixo são despejadas em Ghazipur todos os dias”, disse à agência AFP uma autoridade municipal de Nova Déli, sob condição de anonimato. Isso equivale a cerca de 10 metros de crescimento a cada ano.
A Corporação Municipal de East Delhi (EDMC) tentou por várias vezes fechar o aterro, mas não conseguiu. No ano passado, as conquências se tornaram fatais e dois moradores foram mortos em um deslizamento de terra depois que uma parte da montanha desabou devido às fortes chuvas.
“As práticas de disposição de resíduos não são bem controladas, o que levou à formação de encostas íngremes e instáveis”, escreveram os autores de um relatório que verificou as causas do acidente. “Incêndios subsuperficiais, emissões de fumaça da superfície do lixo, resíduos de coleta de lixo e recicladores de lixo do setor informal foram observados durante a visita ao local em novembro de 2017”.
As conclusões eram simples: o transporte de novos resíduos deveria cessar imediatamente, transferindo as operações do aterro para um novo local.
O fechamento durou apenas alguns dias: Ghazipur continua como um destino para o despejo do lixo. Como a estrutura continua crescendo, os riscos para os habitantes locais são múltiplos. Como o lixo desta pilha está a céu aberto, ela estimula a decomposição aeróbica e gera calor e metano. Isso significa que, sob as condições certas, incêndios espontâneos podem acontecer com facilidade, desestabilizando ainda mais toda a estrutura.
Além do mais, o aterro não tem absolutamente nenhum sistema de revestimento, o que significa que todo o lixo mantém contato direto com o chão, contaminando todo o lençol freático da região.

Fonte: Galileu.com

Haroldo Cordeiro Filho

Haroldo Cordeiro Filho

Jornalista haroldojornalfatosenoticias .es@gmail.com
Luzimara Fernandes

Luzimara Fernandes

Jornalista redacaojornalfatosenoticias .es@gmail.com
Rafaela Rangel

Rafaela Rangel

Nutricionista CRN-ES 08100271-rafaelarangel. nutricionista@gmail.com
Jorge Pacheco

Jorge Pacheco

Advogado, Radialista e Jornalista redacaojornalfatosenoticias .es@gmail.com

Sobre nós

Nossa missão é informar de maneira isenta e independente e ser referência, no Estado, em conteúdo focado na responsabilidade social e ambiental.

Contatos

  • Vitória - ES - Brasil
  • (27) 3070-2951
  • jornalfatosenoticias.es@gmail.com

Clima

booked.net

© Copyright 2019 - 2021 - Jornal Fatos & Notícias.