Tecnologia

Painel verde suga CO2, produz oxigênio e alga comestível

A ideia é que o material possa ser instalado desde terrenos até topos de edifícios

A humanidade está andando a passos rápidos para sua deterioração, é o que revela um relatório global feito por 145 autores especialistas. Mas, ainda há esperanças de reverter esta situação e parte da solução reside em um esforço conjunto de ações. O CicloVivo sempre traz bons exemplos de iniciativas, e este é o caso da tecnologia BioSolar Leaf criada para melhorar a qualidade do ar.
Desenvolvida pela universidade Imperial College London, na Inglaterra, em parceria com a startup Arborea, a BioSolar Leaf purifica o ar através da fotossíntese de plantas microscópicas, remove os gases de efeito estufa do ambiente enquanto gera oxigênio respirável.
Tudo isso é feito em um sistema de cultivo que facilita o crescimento de plantas minúsculas — como microalgas, diatomáceas e fitoplâncton — em grandes estruturas semelhantes a painéis solares. A ideia é que o material possa ser instalado em terrenos, edifícios, entre outros locais.
Um ponto interessante do projeto é que os organismos que crescem nos painéis podem ser colhidos e usados ​​como alimentos. O sistema produz uma fonte de biomassa orgânica da qual a Arborea quer extrair aditivos alimentares nutritivos para produtos alimentícios à base de plantas. Apesar das microalgas já serem usadas em alimentos, de acordo com Julian Melchiorri, CEO da Arborea, os novos painéis usam um processo de produção patenteado que “torna o cultivo mais barato, mais escalável e resulta em um produto de maior qualidade”.

Proteína sustentável

Apesar do projeto garantir que pode produzir oxigênio respirável a uma taxa equivalente a 100 árvores em uma pequena superfície, o foco do projeto de Melchiorri está no sistema alimentar. Ele quer produzir mais proteína de forma ecológica, criar mais fontes de antioxidantes e corantes alimentares naturais. Ao Fast Company, ele afirmou que a poluição climática evitada pela produção de proteína com algas é ainda mais significativa do que a capacidade das algas de sugar CO2 do ar.
Ex aluno do Imperial College London, Julian Melchiorri já está instalando uma planta-piloto na instituição. Acompanhe o projeto no site da Arborea.

Fonte: CicloVivo

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish