Comportamento

Nossas memórias mais antigas são de quando temos cerca de dois anos e meio de idade

Estudo do Canadá revisou centenas de dados e artigos prévios para entender como nossa percepção sobre as primeiras lembranças mudam com o tempo

A maioria de nós não tem nenhuma memória dos primeiros três a quatro anos de nossas vidas — na verdade, tendemos a lembrar muito pouco da vida antes dos sete anos. E quando tentamos pensar em nossas primeiras memórias, muitas vezes não fica claro se são reais ou apenas lembranças baseadas em fotos ou histórias contadas a nós por outras pessoas. O fenômeno, conhecido como “amnésia infantil”, vem intrigando psicólogos há mais de um século — e ainda não o entendemos completamente.

A conversa
À primeira vista, pode parecer que o motivo pelo qual não nos lembramos de ser bebês é porque bebês e crianças pequenas não têm uma memória totalmente desenvolvida. Mas bebês de apenas seis meses podem formar tanto memórias de curto prazo que duram minutos quanto memórias de longo prazo que duram semanas, se não meses.
Em um estudo, crianças de seis meses que aprenderam a pressionar uma alavanca para operar um trem de brinquedo se lembraram de como realizar essa ação por duas a três semanas depois de terem visto o brinquedo pela última vez. Por outro lado, os pré-escolares podem se lembrar de eventos que datam de anos atrás. É discutível se as memórias de longo prazo nesta idade precoce são verdadeiramente autobiográficas, isto é, eventos pessoalmente relevantes que ocorreram em um tempo e lugar específicos.
É claro que as capacidades de memória nessas idades não são semelhantes às dos adultos — elas continuam a amadurecer até a adolescência. Na verdade, as mudanças no desenvolvimento dos processos básicos da memória foram apresentadas como uma explicação para a amnésia infantil, e é uma das melhores teorias que temos até agora. Esses processos básicos envolvem várias regiões do cérebro e incluem formar, manter e, posteriormente, recuperar a memória.
O hipocampo, considerado responsável pela formação das memórias, continua se desenvolvendo, pelo menos, até os sete anos. Sabemos que o limite típico para a compensação da amnésia infantil — três anos e meio — muda com a idade. Crianças e adolescentes têm memórias mais antigas do que os adultos. Isso sugere que o problema pode estar menos em formar memórias do que em mantê-las.
Mas essa não parece ser toda a história. Outro fator que sabemos que desempenha um papel é a linguagem. De um a seis anos, as crianças progridem do estágio de fala de uma palavra para se tornarem fluentes em sua(s) língua(s) nativa(s), então há mudanças importantes em sua habilidade verbal que coincidem com o período de amnésia da infância. Isso inclui o uso do pretérito, palavras relacionadas à memória, como “lembrar” e “esquecer”, e pronomes pessoais, sendo o “meu” um dos favoritos.
É verdade, até certo ponto, que a capacidade de uma criança de verbalizar sobre um evento no momento em que aconteceu prediz o quão bem ela se lembrará dele meses ou anos depois. Um grupo de laboratório conduziu este trabalho entrevistando crianças trazidas aos departamentos de acidentes e emergências por ferimentos comuns na infância. Crianças com mais de 26 meses, que na época sabiam verbalizar sobre o acontecimento, relembraram até cinco anos depois, enquanto as menores de 26 meses, que não sabiam falar sobre o assunto, pouco ou nada lembravam. Isso sugere que as memórias pré-verbais são perdidas se não forem traduzidas para a linguagem.

Todos nós temos momentos inesquecíveis guardados na memória (Foto: Getty Images)

Efeitos sociais e culturais
No entanto, a maioria das pesquisas sobre o papel da linguagem enfoca uma forma particular de expressão chamada narrativa e sua função social. Quando os pais relembram eventos passados com crianças muito pequenas, eles, implicitamente, lhes ensinam habilidades narrativas — que tipos de eventos são importantes para lembrar e como estruturar a conversa sobre eles de uma forma que os outros possam entender.
Ao contrário de simplesmente recontar informações para fins factuais, a reminiscência gira em torno da função social de compartilhar experiências com outras pessoas. Dessa forma, as histórias de família mantêm a acessibilidade da memória ao longo do tempo e também aumentam a coerência da narrativa, incluindo a cronologia dos acontecimentos, seu tema e seu grau de emoção.
Histórias mais coerentes são lembradas melhor. Os Maori adultos têm as primeiras memórias da infância (dois anos e meio) mais desenvolvidas de qualquer sociedade estudada até agora, graças ao estilo altamente elaborado dos pais Maori de contar histórias de família. A reminiscência tem diferentes funções sociais em diferentes culturas, o que contribui para variações culturais na quantidade, qualidade e tempo das primeiras memórias autobiográficas. Adultos em culturas que valorizam a autonomia (América do Norte, Europa Ocidental) tendem a relatar mais cedo e mais memórias da infância do que adultos em culturas que valorizam o relacionamento (Ásia, África).
Isso é previsto por diferenças culturais no estilo de reminiscência dos pais. Em culturas que promovem autoconceitos mais autônomos, a reminiscência dos pais concentra-se mais nas experiências, preferências e sentimentos individuais das crianças, e menos em suas relações com outras pessoas, rotinas sociais e padrões de comportamento. Por exemplo, uma criança americana pode se lembrar de ter recebido uma estrela dourada na pré-escola, enquanto uma criança chinesa pode se lembrar da classe aprendendo uma música específica na pré-escola.
Embora ainda haja coisas que não entendemos sobre a amnésia infantil, os pesquisadores estão fazendo progressos. Por exemplo, existem mais estudos longitudinais prospectivos que acompanham indivíduos desde a infância até o futuro. Isso ajuda a fornecer relatos precisos de eventos, o que é melhor do que pedir retrospectivamente a adolescentes ou adultos que se lembrem de eventos passados que não foram documentados. Além disso, à medida que a neurociência progride, sem dúvida haverá mais estudos relacionando o desenvolvimento do cérebro ao desenvolvimento da memória. Isso deve nos ajudar a desenvolver outras medidas de memória além de relatos verbais.
Nesse ínterim, é importante lembrar que, mesmo que não possamos nos lembrar explicitamente de eventos específicos de quando éramos muito jovens, seu acúmulo, no entanto, deixa rastros duradouros que influenciam nosso comportamento. Os primeiros anos de vida são paradoxalmente esquecíveis, mas poderosos na formação dos adultos que nos tornamos.

Fonte: CNN

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish