Ciência

Mistério dos fluxos semelhantes à lava em Marte é resolvido

Segundo cientistas europeus, efeito provocado pela lama na superfície marciana pode ter se repetido no planeta anão Ceres

O mistério de alguns fluxos semelhantes à lava em Marte foi resolvido por cientistas: segundo eles, tais fluxos são causados ​​não por lava, mas por lama.
Há dezenas de milhares dessas formas de relevo na superfície marciana, geralmente situadas onde existem canais maciços erodidos na superfície por líquidos antigos que fluíam para altitudes menores.
Uma equipe de cientistas europeus simulou o movimento da lama na superfície de Marte. A pesquisa foi liderada pelo Instituto de Geofísica da Academia Tcheca de Ciências e envolveu a Universidade de Lancaster, a Open University e o Laboratório Rutherford Appleton (todos no Reino Unido), o Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS, na França), o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) e a Universidade de Münster (ambos na Alemanha) e o Centre for Earth Evolution and Dynamics (Ceed, na Noruega). Os resultados desse estudo foram publicados na revista “Nature Geoscience”.

Recriação

Usando a Mars Chamber (Câmara de Marte) na Open University, os cientistas recriaram a temperatura da superfície e a pressão atmosférica no Planeta Vermelho como parte de uma simulação de condições na Terra e em Marte.
“Realizamos experimentos em uma câmara de vácuo para simular a liberação de lama em Marte”, disse Lionel Wilson, professor emérito de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade de Lancaster. “Isso é interessante porque vemos muitas características semelhantes a fluxos em Marte em imagens de naves espaciais, mas [esses locais] ainda não foram visitados por nenhum dos veículos itinerantes na superfície e há alguma ambiguidade sobre se são fluxos de lava ou lama .”Esses canais são extremamente longos, estendendo-se por centenas de quilômetros de comprimento e geralmente com mais de dezenas de quilômetros de largura. Acredita-se que sejam o resultado de grandes inundações envolvendo enormes massas de água comparáveis ​​às maiores inundações já conhecidas na história terrestre. Quando a água penetra no subsolo, pode emergir novamente como lama.
Os cientistas realizaram experimentos a baixa pressão e a temperaturas bem baixas (-20 °C) para recriar o ambiente marciano. Eles descobriram que a lama que flui livremente sob condições marcianas se comporta de forma diferente da Terra, devido ao congelamento rápido e à formação de uma crosta gelada. Isso ocorre porque a água não é estável e começa a ferver e evaporar. A evaporação remove o calor latente da lama, fazendo com que ela congele.
Sob condições marcianas, os fluxos experimentais de lama moldaram formas semelhantes às da lava “pahoehoe” que ocorrem frequentemente no Havaí ou na Islândia. Quando esfria, essa lava forma superfícies onduladas e lisas. No experimento, isso aconteceu quando a lama líquida derramou a partir de rupturas na crosta congelada e depois congelou.

Fluxo de um “vulcão de lama” no Azerbaijão (Foto: Petr Brož /Academia Tcheca de Ciências)

Vulcanismo sedimentar

No entanto, sob pressão atmosférica terrestre, os fluxos experimentais de lama não moldaram formas de lava, não se expandiram e não tinham crosta gelada, mesmo em condições muito frias.
Esse “vulcanismo sedimentar” também foi proposto para o planeta anão Ceres, que fica no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter. Ele pode ter um oceano de água barrenta sob uma crosta gelada.
Petr Brož, principal autor do estudo, disse: “Sugerimos que o vulcanismo da lama possa explicar a formação de algumas morfologias de fluxo semelhantes a lava em Marte, e que processos semelhantes possam ser aplicados a erupções de lama em corpos gelados no Sistema Solar exterior, como em Ceres”.

Fonte: Revista Planeta

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *