Meio ambiente

Dois quintos das plantas estão em risco de extinção

Os cientistas dizem que estão correndo contra o tempo para nomear e descrever novas plantas, antes que as espécies se extingam

Plantas e fungos são promissores como medicamentos, combustíveis e alimentos do futuro, de acordo com o Royal Botanic Gardens Kew. Mas as oportunidades para utilizar este “baú do tesouro de incrível diversidade” estão sendo perdidas conforme as espécies desaparecem, devido à destruição do habitat e às mudanças climáticas. Novas estimativas sugerem que dois quintos das plantas do mundo estão em risco de extinção.
A avaliação da Situação Mundial das Plantas e Fungos é baseada em pesquisas de mais de 200 cientistas em 42 países. O relatório foi divulgado no dia de uma cúpula das Nações Unidas, que pressionará por ações dos líderes mundiais para lidar com a perda de biodiversidade.
Estamos vivendo em uma era de extinção, disse o diretor de ciência da Kew, Prof Alexandre Antonelli. “É um quadro muito preocupante de risco e necessidade urgente de ação”, disse ele. “Estamos perdendo a corrida contra o tempo porque as espécies estão desaparecendo mais rápido do que podemos encontrá-las e nomeá-las. Muitas delas podem conter pistas importantes para resolver alguns dos desafios mais urgentes da medicina e até mesmo talvez das pandemias emergentes e atuais que estamos vivendo hoje”.
O relatório revelou que apenas uma pequena proporção das espécies de plantas existentes são usadas como alimentos e biocombustíveis. Mais de sete mil plantas comestíveis têm potencial para safras futuras, mas apenas algumas são usadas para alimentar uma população mundial em crescimento. E existem cerca de 2.500 plantas que poderiam fornecer energia para milhões em todo o mundo, enquanto apenas seis safras — milho, cana-de-açúcar, soja, óleo de palma, colza e trigo — geram a grande maioria dos biocombustíveis.

O Dr. Colin Clubbe, chefe de ciência da conservação em Kew, disse à BBC News: “Atualmente estamos utilizando uma proporção tão pequena de plantas e fungos do mundo, seja para alimentos, remédios ou como combustível, ignorando o potencial tesouro de espécies selvagens que agora temos um maior conhecimento e técnicas para investigar para o bem da humanidade”.
Os cientistas estimam que o risco de extinção pode ser muito maior do que se pensava anteriormente, com uma estimativa de 140 mil, ou 39,4% de plantas vasculares ameaçadas de extinção, em comparação com 21% em 2016. Eles dizem que o aumento das estimativas se deve, em parte, a avaliações de conservação mais sofisticadas e precisas. E estão pedindo que as avaliações de risco sejam feitas rapidamente, usando tecnologias como a inteligência artificial, e aumentem o financiamento para a conservação das plantas.
A pesquisa descobriu que 723 plantas usadas para fins medicinais estão em risco de extinção, sendo a colheita excessiva um problema em algumas partes do mundo. E 1.942 plantas e 1.886 fungos foram nomeados como novos para a ciência em 2019, incluindo espécies que podem ser valiosas como alimentos, bebidas, medicamentos ou fibras.
O relatório contém um capítulo sobre a flora do Reino Unido, que é mais bem estudada do que na maioria das partes do mundo. No entanto, não há uma lista única de plantas com flores no Reino Unido e ainda mais incerteza sobre os fungos, com estimativas variando de 12 mil a 20 mil.

Fonte: Ambiente Brasil

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish