Comportamento

Mais uma Lei Jabuti, a cortina de fumaça da legalização dos jogos de azar — Parte IV

Não se abandona uma criança apenas quando ela é deixada num cesto ou numa lixeira. Às vezes, as crianças são abandonadas dentro de casa, tendo pai e mãe

Levantamos nas semanas anteriores o que está por trás da cortina de fumaça na campanha da legalização dos cassinos e do jogo do bicho. Agora se fala em “privatização” de jogos, para pegar uma carona com as inúmeras privatizações propostas. Algumas, só algumas, com muita coerência na perspectiva de privatizar ou ter um modelo híbrido, público-privado (PP). Lobistas falam maravilhas da legalização dos jogos de azar. Não vi ninguém preocupado com a aceitação social do hábito de jogo. O glamour do vício.
Não é a questão moral que coloco em discussão. É a questão da saúde mental. Dependência à substância ou à conduta, é patológico. Mas, como muitas coisas que dizem respeito à Infância e à Adolescência, o que prepara o terreno para a instalação de uma dependência, de qualquer ordem, é ignorado, é descuidado. Os comportamentos de dependência que aparecem na adolescência começaram a ser plantados na infância. A qualidade precária dos afetos e cuidados com a criança, muitas vezes disfarçados por excessos de atividades que levam o rótulo fictício do “melhor preparo para a competitividade do trabalho”, escondem essa falha na afetividade. A queixa da falta de tempo que empurra para a terceirização da maternidade e da paternidade, também cobrem o afastamento afetivo. São muitas as desculpas, entre as quais várias que procedem no ritmo frenético da vida consumista.
A dependência que vai aparecer na segunda década e, muitas vezes, vai acompanhar por toda a vida, num adoecimento que encarcera, foi iniciada nos primeiros anos de vida, em situações de abandono intrafamiliar. Não se abandona uma criança apenas quando ela é deixada num cesto ou numa lixeira. Às vezes, as crianças são abandonadas dentro de casa, tendo pai e mãe. E essa condição vai fazer com que ela se isole dentro dela mesma.
Faz-se necessário, no entanto, entender a boa aquisição, hoje rara, da capacidade de estar só. Essa é uma capacidade que traz liberdade e apreço pelo outro. É a capacidade de se acompanhar, satisfatoriamente, por si mesmo. Não é solidão. É a não dependência do outro, que dá qualidade ao estar com o outro. É essa capacidade que nos permite ler um livro até o final e pegar outro. Hoje, observamos que a obcecada atitude de uma socialização superficial que não permite a vivência das boas emoções, e dos bons afetos. A palavra “amigo” perdeu seu significado para um contato raso, em meio a uma avalanche de exposição de aparências.

A dependência em jogos funciona como todo e qualquer vício, a dinâmica é a mesma (Foto: iStockphoto)

Nesta linha de entendimento surge agora o jabuti da legalização dos cassinos de todos os tipos. Não sejamos ingênuos. Se não temos a cultura do pensar as várias implicações e consequências de uma “legalização”, se preferimos imaginar que será glamoroso, e que trará impostos para e educação e a saúde, empregos para os jovens, já começamos a blefar, alimentados por um lobby diário feroz. Vemos impostos para a educação, que tem cada vez mais sua verba diminuída, com a saúde a mesma coisa. Empregos que serão camuflagens de exploração e turismo sexuais, incluindo as redes de tráfico internacional humano, sexual também.
Não há Políticas Públicas para nossos alcoólatras. Não sabemos o que fazer com eles. Nem com os usuários de cocaína, craque, e os pequenos e seus joguinhos de celular e computador.
Há que se pensar como usar a tecnologia sem dependência. Mas reclamamos, em rodas de conversas e não prestamos atenção ao movimento que este rio caudaloso está nos levando. Quando perdemos a ligação e a intimidade com as emoções genuínas, vamos fazendo substituições que deformam e secam nossa subjetividade. E emoções de verdade, viscerais, que repercutem no corpo, são o alimento da mente humanizada. Jogos de sorte ou azar, em suas repetições monótonas, não passam pelo processo cognitivo pleno humanizado, porque são a busca incessante de um triunfo, de uma vitória sobre o imponderável. Vencer o azar por uma lei aleatória. Violência minimizada cada vez mais para dar cor a este vazio interno. Esta ilusão é que atrai os buracos de afetos.

Ana Maria Iencarelli

Ana Maria Iencarelli

Psicanalista Clínica, especializada no atendimento a Crianças e Adolescentes. Presidente da ONG Vozes de Anjos.

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish