Política

Aposentados e pensionistas de Vitória têm parte dos salários confiscados pela prefeitura

Hoje, na PMV, estão descontando 14% de quem recebe entre R$ 1.100,01 e o Teto Nacional

Aposentados e pensionistas da Prefeitura de Vitória esclarecem, em nota, que não fazem parte da máfia de privilégios, como disse o prefeito Lorenzo Pazolini. Fazem sim, parte do quadro de aposentados que dedicaram os melhores anos de suas vidas para fazer de Vitória a cidade linda e acolhedora que é hoje. E como resposta a esta dedicação, o prefeito levou para a Câmara de Vitória, no dia 04 de janeiro, quando os vereadores mal haviam ocupado seus lugares na Casa e, sob pressão e ausência de informações relevantes, aprovaram a Reforma da Previdência Municipal, com perversidade e total falta de respeito aos aposentados e pensionistas. No final de maio, deram início aos descontos abusivos de 14% em seus já defasados salários dos quais eram isentos desta contribuição, a exemplo da Lei Federal, por meio da Emenda 103/19, pois já contribuíram ao longo de suas longas jornadas trabalho dedicadas a Vitória.
A Reforma da Previdência Nacional mantém a isenção de contribuições para todos os aposentados e pensionistas que recebem salários inferiores ao Teto Nacional, que é de R$ 6.433,57. No Espírito Santo, o Estado e seus municípios, exceto Vitória, caminham em conformidade com a Lei Federal. Só contribuem com os 14% os aposentados e pensionistas que recebem acima do Teto Nacional.
Hoje, na PMV, estão descontando 14% de quem recebe entre R$ 1.100,01 e o Teto Nacional. Quem recebe valor maior tem descontos de 16,5 a 19%, além do imposto de renda, já retido na fonte pagadora (PMV), que vai de 7,5 a 27,5%.
Representantes da Comissão dos Aposentados, Neuza Mesquita e Rafael Brizotto, falaram à coluna Olhar de uma Lente o que vem acontecendo nos últimos meses e a luta da categoria para que aja justiça e os descontos abusivos em folha de pagamento sejam sanados.
“Num momento em que vivemos o caos da pandemia, com desemprego em massa e com uma das cestas básicas mais caras do Brasil, somos obrigados a contribuir de maneira abusiva em relação ao restante do País”, reclamam os representantes.

Prefeitura Municipal de Vitória (Foto: Fábio Vicentini/Arquivo A Gazeta)

“Precisamos da solidariedade e do apoio de toda a população de Vitória, vereadores e demais políticos da capital para revertermos os descontos. Os contribuintes de Vitória precisam saber a verdade sobre esta administração perversa e desrespeitosa, que faz propagandas nas redes sociais dizendo inverdades sobre a situação da prefeitura e do Instituto de Previdência do Município. Afirma que os aposentados e pensionistas fazem parte de uma máfia de privilégios, quando mais de 80% deles recebem valor inferior aos descontos no salário do prefeito. Ou seja, menos de R$ 6.400,00 e, desses, 50% recebem menos de três salários mínimos, estão sem reajustes há mais de quatro anos e não sabem quando e se o terão. É desumana e irresponsável a atitude da gestão Pazolini.
Não é possível calar diante de tanta perversidade. O secretário de Fazenda, Aridelmo José Campanharo Teixeira, recebe as entidades sindicais e diz estar dialogando, mas o prefeito condiciona abrir negociação se for tirado da justiça o processo que tramita, realizado pela Associação dos Aposentados de Vitória (Assim), sem apresentar nenhuma proposta e sem acatar a já enviada — assinada pelas representações sindicais e a associação — tratando os aposentados como imbecis.
Quantos estão em desespero por ver seu salário de aposentado reduzido em 14%, quando não deveriam contribuir com mais nada? Afinal, já contribuíram anos após anos, para um dia fazer uso da sonhada aposentadoria”, afirmam os representantes da comissão.

Foto de capa: Divulgação

Haroldo Cordeiro

Haroldo Cordeiro

Jornalista – DRT: 0003818/ES Coordenador-geral da ONG Educar para Crescer

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish