Meio ambiente

Última década foi a mais quente já registrada

Relatório anual, produzido por 528 cientistas de 61 países, mostra que temperatura sobe mais a cada década desde 1980

O último ano foi um dos três anos mais quentes já registrados, com geleiras derretendo, nível do mar subindo, uma série de queimadas, ondas de calor e estiagem. Isso foi demonstrado pela Sociedade Americana de Meteorologia, em seu boletim (Bulletin of American Meteorological Society — BAMS).
O relatório anual tem a participação de 528 cientistas especialistas em clima, de 61 países e afirma que apenas 2015 e 2016 foram mais quentes que 2019, com base em dados registros desde a metade do século XVII.
Cada década, desde 1980, tem se mostrado mais quente do que a anterior, tendo que a mais recente (2010-2019) ficado cerca de 0,2°C acima da década passada (2000–09).

(Foto: NOAA/Unsplash)

Pelo 32º ano consecutivo, 2019 registrou perda de geleiras nas montanhas, com aumento da temperatura media dos lagos acima da media e a temperatura do gelo permanente no em elevação constante.
Em 2019, o nível do mar bateu um novo recorde na media global pelo 8º ano e ficou 87,6mm acima da elevação registrada em 1993 quando as medidas por satélite começaram, com um acréscimo de 6,1mm em relação a 2018, segundo o relatório.

Emissões crescentes

A emissão de gases de efeito estufa, que contribuem para o aumento do aquecimento global e da poluição, também aumentou. A emissão de dióxido de carbono está 2,5 partes por milhão (ppm) maior, a de óxido nitroso 1 partes por bilhão (ppb) maior e a emissão de metano aumentou 9.2 partes por bilhão (ppb).

Floresta em chamas (Foto: Pixabay)

“Um número de eventos extremos, como queimadas, ondas de calor e estiagem, tem parte de sua origem no aquecimento global”, explica Robert Dunn do Centro de Meteorologia do Reino Unido, que contribui para a elaboração do relatório.
“O aumento da temperatura global está ligado a outro indicador: o aumento das emissões de gases do efeito estufa, como destaque para o dióxido de carbono, óxido nitroso e metano”.
Os dados reafirmam a necessidade dos governos agirem para diminuir a emissão de gases do efeito estufa e aumentar as chances de que se cumpra o estabelecido no Acordo de Paris – limitar o aumento da temperatura em até 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais.

Clima na terra (Foto: Reprodução)

Fonte: CicloVivo

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

EnglishPortugueseSpanish